Alucinação

Meu amor
Tão doce sois
E tão amarga se apresentas
Espreita
Instiga
Fascina
Não tens noção de perigo
Sabe que mesmo em sonhos a procuro
Não quer mais meu olhar
E ainda assim me prende
Nessa doce paixão
Como posso me embriagar
Com o sabor de seus lábios
Se a simples menção de teu nome
Me destrói?
Sem teu calor não sou nada
Não mais que mera presença
Perto da magnificência de seus olhos
Guardiões de um brilho dourado
Que enfeitiça ao passo que o encontro
Perdido em meio a tanta luz
Nessa estrada de tijolos amarelos
QUe não leva a lugar algum
Apenas andando
Andando
Na loucura insensata de te amar
De te encontrar
Meu amor verso não é criado à toa
Reverso
Eu
Em meio a meu proprio sentimento
Buscando te encontrar
Tentando te esquecer
A menção de tuas asas
Ocultas e sombrias
Meu amor
Não devo mais te ver
Meu amor
Devo te esquecer
Meu amor não volte
E me mate para que não precise mais sofrer
(??/??/05
4h10min 24/01/2010)

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Poesias

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s