Sinceridade

Fazenda Rio Grande, 2005 Lua Cheia
An iv 13 Sol 1° Leo Luna 18° Pisces Dies Solis
Domingo, 24 de julho de 2005 e.v.

Apenas falo o que sinto, não sou capaz de mentir. Acho que isso é bom, não sei, tento ser sincero, sempre correto, não gosto de máscaras, talvez seja por isso que me crucificam tanto, por que tento ser eu mesmo, não finjo ser algo que não sou ou estou longe de ser. Isso não importa, é irrelevante, digam o que quiser, não descerei ao nível deles para provar que sou superior a tudo isso, sou mais do que pensam e isso já é o suficiente. Sou tudo isso e ninguém, irredutivelmente ninguém, será capaz de me mudar, de me corromper. Podem destruir meu corpo que não conseguirão tocar na pureza de minha alma.

Pessoas, lembranças, presenças, contatos, conversas, amizades. Sombras de uma vida, imagens deslocadas. A vida pulsando no coração que se recusa a bater, a bombear esse veneno em forma de sangue, infectando o corpo já enfermo, o crepúsculo de toda uma existência.
Fazer-me chorar é difícil, até que se descubra meu ponto fraco, uma palavra rude, não merecida, nem mesmo esperada, pesa como um golpe de martelo, estilhaçando minha paz, expondo minha fragilidade como um corte, uma ferida aberta, sangrando.
Um rumo a ser seguido, uma atitude a ser tomada, interrompida por sua fala, sua língua de cobra, víbora, cuspindo o veneno contra mim. Parem! Não mereço tal alcunha e tratamento! Não sou um deles! Sádicos, corruptos que fazem de tudo por dinheiro e poder! Minha inocência é fato, não me subestimes, não conheces minha força! Humilham-me pensando serem mais fortes que eu pelo meu silêncio. Engano! Lúgubre engano! Estou a lhe testar, procurando falhas em sua armadura de mentiras para derrotá-lo pelo cansaço e destruí-lo com apenas um golpe. Oh, ser fraco, não subestimes um coração puro, pois sua força é infinita, mesmo que oculta por teus olhos infames.
Mestre de meu destino, eu o destrono e controlo você, que age por impulso, sem planejamento prévio, besta arrogante, fera dona de instintos mais animais que humanos, que ataca sem ter noção da potência defensiva, defende sem esperar ataque, pensando prevê-los, ataco quando abaixar a guarda, erros sempre iguais. De que adianta querer dominar o mundo sem dominar a si próprio?

Já que não me entende, não me julgue. Não me tente

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Contos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s