Andar Em Circulos (E Nunca Ser Rápido o Bastante)

Não peço que me perdoes
Não peço que me entendas
Apenas peço que não ecoes
Teu nome em meus sonhos
Novamente

Não sei mais por onde ando
Nem sei mais o que eu faço
Para ver teus olhos junto aos meus
Mas sempre volto a te procurar
Novamente

Longe tu estas
E longe deves ficar
Até que me renderá
As suas vontades
Novamente

Que a luz da lua ilumine teu rosto
Com seu brilho cálido esta noite
E que tuas palavras venham até mim
Carregadas pelo sopro de teus lamentos
Novamente

Estou cansado de lutar
Madrugadas a fio
Atrás de teus sonhos
Mas eles não me pertencem
Então me perco em devaneios
Sozinho e com frio
Novamente

Esta noite me leve às estrelas
Sem pensar em nada me leve para longe
Para que eu possa sentir
Como é a primavera em Netuno
Como um dia fez-se minha leve-me até as estrelas
Novamente

Guardarei em meu coração
Teus mais profundos segredos
Como há muito tempo guardei
O sabor inebriante de teus beijos
Que anseio febrilmente em tê-los
Enquanto sonho acordado novamente

A adaga com a qual sangro
São como tuas palavras vazias
Que teimam em machucar
Minhas mãos cansadas
Novamente

A rosa que um dia segurei
Tingis-te agora de vermelho
Com meu sangue incrédulo
A flor que carrega o meu amor
Ofertada a tua resplandecência
Novamente
(??
16/07/2010)

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Poesias

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s