Lírio Negro

Eu sou esta sombra que te persegue
A marca do vermelho em teu peito
O anjo caído que sangra aos teus pés
Aquele que sucumbe ao contemplar
A luz que circunda teus olhos
Este sou eu
E esta é a dor que carrego em mim
Em minhas asas tão negras
O peso que carrego em minhas costas
É o preço que pago por meus pensamentos
Por questionar as leis que não criei
Excomungado e expulso de minhas origens
Este sou eu e assim somos todos nós
Como o Lírio negro que enfeita teu cabelo
Preso a ti como a esta terra
Corrompendo minha alma por prazer
Se ainda tiver uma
Sem direito de escolha nem arbítrio
Este sou eu agora e sempre
Como um eterno Lírio Negro
(23/05/07 – 11h32min
21/11/2010 – 23h18min)

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Poesias

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s