Do Homem, o Poeta


Do regasso o abraço
De longe o teu laço
Compondo o que não se cria
Criando o que não se pensa

Respiro do teu ar
Assim como de ti me faço inteiro
Teu abraço se faz saudade
Quando estou longe de teu seio

És esse ar que tanto preciso
O sopro do qual me vi sedento
A poesia da qual não tinha palavra
Agora tenho verso inteiro
(22/12/2009 – 19h00min
22/12/2010 – 12h20min)

Anúncios

1 comentário

Arquivado em Poesias

Uma resposta para “Do Homem, o Poeta

  1. Pingback: Silencioso e Sombrio « Hermetic Rose

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s