Opaco

Em noite sem lua
de luzes opacas
os passos e as pedras
dos pés dos que passam

sorrisos que fingem
palmas de espasmos
frio de cartilha
dedos e mormaço

Passos tropegos
de pressa e de prece
calcam pedras soltas
no saibro da rua

passos que passam
sorrisos que fingem
cabeça pesada
problemas e apuros

Chuva tão fria
verdade desaba
lava o que fica
na rua e na fala

Água e tormentos
das pedras e medos
se mostra e se perde
(22/07/2012 – 23h23min)

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Poesias

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s