Arquivo do autor:Fr. Luciux

Sobre Fr. Luciux

Um Estudande, um Caminhante, um Companheiro de Jornada trilhando a Senda e as Ordálias em nome da Grande Obra.

Semelhança

Weave RoseQuem é você?
Esta assustadora semelhança
De gestos fortes e mãos macias
O que você quer?
Você realmente me vê?
Você realmente me sente?
Eu quero ver o que você é
Compreender quem você se tornou
Daquela que veio até aqui
Mostre-me quem você realmente é
Ensine-me como ser uma pessoa melhor
E me transforme.
(10/02/2016 – 00h10)

Deixe um comentário

Arquivado em Contos

Resemblance

Weave Rose.pngwho are you?
This scary resemblance
Strong gesture and soft hands
What do you wnat?
Do you really see me?
Do you really fell me?
I want to see what you realy are
Comprehend the one you became
From that who came here
Show me who you really are
Teache me how to be a better person
And change me.
(10/02/2016 – 00h10)

Deixe um comentário

Arquivado em Contos

Mon Amour

562997_474024719320369_1674693449_n

Diga, menina
Tantas palavras soltas
Diga enquanto a noite ainda nos cobre
Plante sobre mim tuas dúvidas
Teu riso perene de certezas
Teus olhos, abrigo de um eterno mar

Atire a flecha, a pedra, a bala
Atire-se dos tantos que correm por um imenso nada
Adeus pequena, te espero
Teus pés ávidos
Tuas mãos, de finos traços

Cada palavra, um lábirinto de lábios
De doces tormentos, como o que me entrega a você
Teu oceano, tão fundo, arredio
Parte do meu tão estranho
Nado sem rumo, mergulho no escuro

Queria eu me afogar, num mar de estranhas ondas
Azul celéste, verde água
As cores que quizeste pintar
Venha, aperte o passo
A chuva te espera, o sol se dá ao acaso

Diga, menina
O que tanto quer dizer
Mostre cada palavra, teu toque sutil
Dance teus devaneios sob a lua
Selene espelho de tua luz

Que faról é este, de onde vem teu fulgor?
Guia meus pés por caminhos de seda
Me trás em teus sonhos, morada de bruma
Me procura em sonhos
Me trás ao teu zênite eterno.
23/12/15 07h30min

Deixe um comentário

Arquivado em Poesias

No Direction

walking alone by mashat

One more cup of tea and I will go on.

The Wind whisper out there, carrying the sand and the rest of this godforsaken desert. I drum my fingers over the gross desk, wood without any paint who can hide the termite trail… You know, I could be now in anywhere, in some five stars restaurant, or any luxury nightclub with a Whisky in my hand. I could have anything: houses, cars, friends and girlfriends. Everything disposable, one night stand, like any portion of anything they give to you on a plane. I could have anything I want, but I preferred stay here, on a roadside bar in the middle of the desert, near to a canyon in the end of the world. Continuar lendo

Deixe um comentário

Arquivado em Contos

Cold Asphalt and the Nameless Perfume

We make too much plans. Plans that we know, inside, deep inside, would not be met, plans were made to fill that empty night, while the wind out of the hall fill every space, ignored only by our beers in half. Yesterday I had a dream, I do not think I came to tell you, maybe you will never know.

Continuar lendo

Deixe um comentário

Arquivado em Contos

Asfalto Frio e o Perfume sem Nome

Fizemos então planos demais. Planos que sabíamos, por dentro, bem fundo, que não seriam realizados, planos que foram feitos para preencher aquela noite vazia, enquanto o vento do lado de fora do salão preenchia todos os espaços, ignorado apenas por nossas cervejas pela metade. Continuar lendo

Deixe um comentário

Arquivado em Contos

Dias Complicados

Estes dias complicados
de roupas que se perdem no varal
de danças que se perdem no compasso
da falta de tempo pra pensar
da sobra de vazios
de sons intermitentes
de vozes sem som.
(03/08/2015 10:30)

Deixe um comentário

Arquivado em Contos